Fatores associados ao sucesso dos aparelhos auditivos em idosos

Há um ditado no ramo imobiliário que diz que os três fatores mais importantes para
determinar o valor de uma propriedade são: a localização, a localização e a localização.

Um argumento semelhante poderia ser feito para a adaptação de aparelhos auditivos. Três dos fatores mais importantes para o sucesso dos aparelhos auditivos são: o acompanhamento, o acompanhamento e o acompanhamento. Claramente, não se pode esperar pelo sucesso sem escolha e verificação adequadas, contudo, orientação e assessoramento minucioso após a adaptação
podem ter um grande impacto no conforto e nos benefícios percebidos com o uso dos novos aparelhos auditivos. O sucesso do aparelho auditivo geralmente pode ser definido com o uso regular do aparelho pelo paciente. Knudsen e seus colegas (2010) analisaram vários estudos e identificaram alguns fatores que foram sistematicamente relacionados ao sucesso dos aparelhos auditivos. Em geral, os mais propensos a alcançá-lo foram aqueles que tinham atitudes positivas frente ao uso dos aparelhos auditivos antes da adaptação e maior grau de dificuldade auditiva referida (Knudsen, Oberg, Nielsen, Naylor e Kramer, 2010; Hickson, Hamilton e Orange, 1986; Hickson, Timm, Worrall e Bispo, 1999; Cox, Alexander e Gray, 2007). As razões mais comuns citadas nos estudos que examinavam os motivos pelos quais as pessoas não usam seus aparelhos foram a percepção da falta de benefícios, problemas de adaptação e conforto dos aparelhos auditivos (McCormack e Fortnum, 2013).

Entender melhor como atuam esses fatores ajudará os médicos a orientar seus pacientes a se tornarem usuários de aparelhos auditivos, constantes e bem sucedidos. Ao definir o sucesso como uma combinação do uso regular e dos benefícios referidos pelo próprio paciente, Hickson e seus colegas examinaram a associação entre fatores audiológicos e não audiológicos e os resultados bem sucedidos do aparelho auditivo. Os fatores audiológicos que eles estudaram foram a duração e o grau da perda auditiva, a presença de zumbido, o tipo do aparelho auditivo e o ganho de inserção
com os aparelhos auditivos. Os fatores não-audiológicos são agrupados em quatro categorias: atitudes e sinais; ação; características demográficas; fatores psicológicos e fatores relacionados à idade.

Cento e sessenta adultos com mais de 60 anos, com idade média de 73 anos, participaram do estudo. Todos tinham uma perda auditiva superior a 25 dB NA e menos de dois anos de experiência com aparelhos auditivos. Das 160 pessoas, 75 foram classificadas como usuários não exitosos e 85 foram classificados como usuários exitosos. Os usuários não exitosos foram definidos como aqueles que informaram pouco, nenhum uso ou nenhum benefício com o aparelho auditivo. As pessoas participaram de uma sessão em que foram feitos exames audiológicos completos, mensuração in-situ, testes cognitivos, um histórico clínico e um questionário geral de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *